Estudo de Harvard diz que dieta sem glúten aumenta o risco de diabetes. Será?

emoji-pensativo

Durante os dias 07 a 10 de março de 2017, a American Heart Association promoveu um meeting (encontro científico) in Portland, Oregon (EUA). Nesse evento, a equipe do Dr. Zong (um dentista chinês) apresentou os resultados de um estudo observacional – prospectivo – com um N representativo (foram avaliadas cerca de 200 mil pessoas), no qual verificaram que dentre essas pessoas, o risco de desenvolver diabetes tipo 2 foi  13% maior (o equivalente a 16 mil pessoas) nos que reduziram a ingestão de glúten (o resumo do estudo pode ser lido aqui). A motivação para o estudo parece ter sido a grande quantidade de mortes/ano pelas complicações do DM2, uma doença metabólica crônica, sobre a qual eu já falei nesse post aqui. Outro ponto, foi o aumento da procura por produtos (industrializados) sem glúten nos EUA.

Pois bem, os próprios pesquisadores terminaram a apresentação dizendo que os resultados SUGEREM aumento do risco, mas que isto NÃO ESTÁ CLARO, e que (obviamente, como em toda pesquisa que se preze), MAIS ESTUDOS SÃO NECESSÁRIOS para avaliar a mesma coisa! Ou seja… a própria equipe que idealizou e conduziu o estudo SABE que esses resultados não são uma sentença definitiva e sabem que muitos outros fatores precisam ser considerados. (Aqui um parêntese pra chamar a atenção sobre como as reportagens que foram publicadas sobre esse estudo já no título conseguiram distorcer o que os pesquisadores falaram! Em momento algum os pesquisadores me parecem ter AFIRMADO que dieta sem glúten CAUSA diabetes! Mas as reportagens e seus desdobramentos, infelizmente, sim!). Além disso, os pesquisadores pegaram a(s) dieta(s) sem glúten (ou com pouco glúten), mas terminaram falando sobre as fibras (porque na realidade é baixa quantidade de fibras e não de glúten, que pode estar por trás do maior risco de diabetes, como eu também já havia falado aqui).

Eles também concluíram o resumo da pesquisa dizendo o seguinte:

Our findings suggest that gluten intake may not exert significant adverse effects on the incidence of T2D or excess weight gain. Limiting gluten from diet is thus unlikely to facilitate T2D prevention and may lead to reduced consumption of cereal fiber or whole grains that help reduce diabetes risk.” (Tradução: Nossos achados sugerem que a ingestão de glúten pode não exercer efeitos adversos significativos na incidencia de DM2 ou excesso de peso. Portanto, é improvável que limitar o glúten da dieta, ajude a prevenir a DM2 e pode levar à redução do consumo de fibra de cereais ou grãos integrais, que ajudam a diminuir o risco de diabetes.)

Eu não conheço os pesquisadores, nem tive ainda chance de ouvir diretamente deles quais seriam tais fatores, mas considerando tudo o que já estudei (inclusive sobre pesquisa) e meus 16 anos de experiência clínica … eu arrisco comentar abaixo, alguns desses possíveis fatores:

Não existe uma única dieta sem glúten! Obviamente precisamos esperar o estudo ser publicado, para sabermos mais detalhes, mas acho pouco provável que  a equipe de pesquisadores tenha dado conta de avaliar completamente a composição da dieta* de cada um dos participantes e de cruzar esses dados com resultados de exames laboratoriais (que indicassem risco prévio para diabetes), fatores genéticos (indicativos de risco de diabetes), peso (e ganho de peso durante as modificações na dieta), altura, circunferência da cintura, atividade física, medicamentos em uso, nível de estresse e tantas outras variáveis que podem influenciar no risco de desenvolver diabetes (se conseguiram fazer isso, pausa para aplaudi-los, porque isso seria um trabalho monstruoso, e só quem conhece os bastidores do mundo das pesquisas sabe do que eu estou falando).

E como eu estava dizendo… existem inúmeras formas de se comer sem glúten (assim como as possibilidades envolvendo o glúten também são infinitas). É possível ter uma alimentação muito pior sem glúten, se a mesma incluir APENAS pães, bolos, biscoitos, massas, refrigerantes, sucos industrializados e fast food… mas aí, vamos pensar, né? Com ou sem glúten, as chances disso adoecer alguém são bem grandes, não? Até porque, a alegação “não contém glúten” na embalagem não é garantia de comida saudável. Pode até ser uma opção segura para nós celíacos, do ponto de vista do glúten (como batatas fritas de pacote e refrigerantes, que sempre me “quebram um galho” quando estou viajando e não acho outras opções pra comer), mas nem sempre são sinônimos de comida saudável!

A dieta tradicional do brasileiro, naturalmente sem glúten (se considerarmos principalmente os hábitos das regiões Norte e Nordeste do país) é bem saudável: tapioca ou tubérculos (aipim/macaxeira, batata doce, inhame) ou banana da terra ou cuscuz de milho (ou mesmo broa de milho) ou açaí com farinha d’água no café da manhã e/ou lanche, arroz com feijão, carne/peixe/frango/porco/ovo e salada/legumes no almoço e jantar, frutas como sobremesa e como lanches intermediários.

Aí eu pergunto: será que quando comíamos assim, realmente nosso risco de ter diabetes era maior do que quando começamos a copiar os americanos, trocando refeições por fast food ou por pizza ou por congelados cheios de aditivos e farinhas? Ou nosso risco aumento quando começamos a adotar porções gigantescas de refrigerante, de biscoitos e snacks? Ou ainda, quando começamos a trocar o arroz e feijão de cada dia por um sanduíche comido às pressas?

Há ainda outras formas de se comer sem glúten, como na Dieta do Paleolítico (sobre a qual já falei aqui, aqui, e aqui), que era o modelo alimentar de TODA a humanidade antes do advento da agricultura e do uso de trigo e outros cereais na alimentação. Ainda hoje, em pleno século XXI, algumas populações ainda seguem o padrão alimentar de seus ancestrais e estas são as populações que exibem o MENOR risco de desenvolver DIABETES e outras doenças crônicas da modernidade. Aí eu pergunto… se o glúten fosse um possível ingrediente PROTETOR, como explicar o menor risco de adoecer exibido por essas pessoas? Talvez realmente o ponto a ser considerado não seja o glúten e sim outros fatores associados…

Enfim… os próprios pesquisadores mencionam as FIBRAS. Bom e o que são fibras? São CARBOIDRATOS** para os quais nós (seres humanos) não possuímos enzimas capazes de digeri-las e elas se tornam alimento das nossas bactérias intestinais e ainda melhoram o funcionamento intestinal, facilitando a eliminação de toxinas presentes nas fezes e produzidas pelas próprias bactérias. As fibras também retardam a absorção da glicose, vinda da alimentação, evitando sobrecargas na glicemia (glicose presente no sangue) e evitando sobrecarga no funcionamento do pâncreas. As fibras também aumentam a sensação de saciedade e, portanto, diminuem a FOME… se temos menos fome, comemos menos… logo, dificilmente engordaremos ou aumentaremos nossa circunferência abdominal, o que consequentemente, nos mantém mais protegidos do diabetes tipo 2.

E será que só é possível obter FIBRAS a partir dos cereais integrais??? A industria alimentícia nos fez acreditar que sim, mas as maiores (e melhores) fontes de fibras são justamente os (SURPRESA!!!)…ALIMENTOS NATURALMENTE ISENTOS DE GLÚTEN!!! Sim!!! As frutas (principalmente as que podem ser consumidas com a casca), as verduras, os legumes, os próprios tubérculos, as leguminosas (os feijões e seus “parentes”: lentilha, ervilha, grão de bico e amendoim) e as oleaginosas (castanha do Pará, de caju, amêndoas, nozes, pistache, macadâmia e o brasileiríssimo BARU, por exemplo). Assim, podemos concluir que, se alguém deixa de comer alimentos feitos com farinha de trigo integral e sua alimentação fica pobre em fibras, é porque a ingestão destes outros alimentos que falei está bem baixa, né? Se bobear, nem existe! Aí eu pergunto: o problema foi a exclusão da farinha contendo glúten? Obviamente que não, né, gente? O problema tá na alimentação pobre e monótona da pessoa!

Aí dá pra falarmos que é a ausência de glúten que causa diabetes? Ou será que são escolhas alimentares totalmente equivocadas, aliadas a uma vida sedentária, estressante, etc?

Em tempo: conheço muitos celíacos e suas histórias e sei que tanto eles, quanto suas famílias (pessoas que fazem a dieta sem glúten “sem necessidade”, apenas para acompnhá-los, por questões de segurança, economia e solidariedade), adquiriram hábitos alimentares muito mais saudáveis DEPOIS da exclusão do glúten, pois conseguiram enxergar que existe vida após a exclusão do glúten e que ela pode ser muito saborosa e saudável!

 

Considerações finais:

*Os pesquisadores trabalharam com um questionário de frequência alimentar para avaliar a dieta dos participantes. Estes questionários, geralmente bem grandes e padronizados, dependem da memória e da paciência de quem o responde e mesmo sendo instrumentos validados e muito utilizados nas pesquisas, não dão conta de mensurar todas as nuances envolvendo a alimentação de ninguém.

** As fibras podem ser celulose (a mesma que está no papelão e nas manchetes dos jornais nos últimos dias, mas também está presente em todas as folhas, na casca das frutas e dos legumes), pectina, amido resistente, FOS e inulina, (presente nas frutas e legumes), galactooligossacarídeos (presentes nos feijões e seus “parentes”), etc.

Anúncios

Dieta sem glúten realmente causa diabetes?

Antes de mais nada, é importante esclarecer que existe mais de um tipo de diabetes e que, apesar de todos os tipos terem em comum o fato da glicemia aumentar a ponto de se descontrolar (causando inúmeros problemas à saúde), suas causas são diferentes.

A child eating a hot dog while playing on a laptop — Image by © BNP Design Studio/ImageZoo/Corbis

Existe a diabetes tipo I (DMI), muito comum em crianças, mas que pode afetar pessoas mais velhas. Trata-se de uma doença autoimune, na qual as células produtoras de insulina, localizadas no pâncreas (as células beta pancreáticas) são destruídas pelo sistema imunológico, que por algum motivo, alheio à nossa vontade e compreensão, deixa de reconhecê-las como parte do corpo. As poucas células que resistem ao ataque, tentam compensar a produção de insulina, mas chega a um ponto em que não conseguem e aí, só mesmo com dieta e aplicações constantes de insulina exógena é possível controlar a glicemia (“taxa de açúcar no sangue”).

Na DMI, sabe-se que existe o fator genético envolvido (quando há casos de doenças autoimunes na família, mesmo que não seja diabetes), mas outros fatores estão envolvidos, e até o momento, sabe-se que infecções virais na infância e o uso precoce de fórmulas infantis a base de leite de vaca podem ser gatilhos para disparar a doença. E uma vez que a autoimunidade foi ativada, não há como reverte-la, porém, é possível manter um certo controle da inflamação causada por ela, o que ajuda a diminuir a velocidade com que a autodestruição vai acontecer. Para isso, é necessário manter uma dieta com bom controle na quantidade e tipo de carboidratos e priorizar alimentos de ação anti-inflamatória e antioxidante. Nesses casos, a dieta SEM GLÚTEN pode ser benéfica duplamente: primeiro porque é bem comum que a DMI e a doença celíaca (DC) estejam presentes na mesma pessoa e se a DMI se manifestou primeiro, a DC pode não se apresentar com os sintomas clássicos de diarreia e desnutrição. Mas aqui, é fundamental que os exames para DC sejam feitos antes da exclusão do glúten! No segundo caso, a dieta sem glúten pode ajudar no controle glicêmico ao diminuir a inflamação, já que o glúten aumenta a permeabilidade intestinal e pode contribuir para aumentar a inflamação. Porém é FUNDAMENTAL chamar a atenção para o fato de que, quando o foco é diminuir a inflamação, não adianta absolutamente NADA, substituir a farinha de trigo por outras farinhas refinadas em grande quantidade, pois a glicemia continuará alterada e a inflamação continuará existindo! Porém, uma dieta livre de glúten, a base de frutas e hortaliças, arroz integra e feijão, carnes magras, ovos, etc, pode ajudar bastante!

Existe também a diabetes tipo II (DMII), mais comum em adultos, mas que tem afetado um número cada vez maior de pessoas mais jovens. Este tipo está diretamente relacionado aos hábitos alimentares ocidentais modernos (consumo de alimentos processados e ultra processados, como salgadinhos, biscoitos, sucos industrializados, refrigerantes, fast food, mamadeiras engrossadas com farinhas e adoçadas com açúcar, etc), excesso de peso e sedentarismo. Há o fator genético envolvido, porém os fatores ambientes (estilo de vida e alimentação) são os principais agentes causadores! Mudando-se o estilo de vida é possível prevenir o surgimento da DMII e até mesmo reverte-la, depois de instalada, pois nesse caso, não há autodestruição das células que produzem insulina. Aqui há uma sobrecarga destas células… trabalho excessivo para produzir quantidades enormes de insulina, capazes de “neutralizar” o descontrole glicêmico promovido por hábitos alimentares errados e falta de exercício. Quanto mais insulina produzida, mais é necessário produzi, pois ela vai “perdendo seu efeito”, quadro clínico conhecido como resistência insulínica (RI). É importante lembrar que a RI está presente em diversas condições, como na síndrome do ovário policístico, nas pessoas com qualquer grau de sobrepeso, nos obesos e é a RI que causa a DMII e dificulta a perda de peso.

A child eating a hot dog while playing on a laptop

 

E até que ponto uma dieta sem glúten (ou com pouco glúten) poderia causar RI e DMII? A partir do momento em que a alimentação consiste apenas de pães, bolos, biscoitos e massas preparados com farinhas (principalmente as refinadas), como farinha de arroz, o amido de milho, o polvilho, a fécula de batata, além de açúcar, muito sal, refrigerantes, sucos industrializados, e coisas do tipo… ou seja, basicamente as mesmas coisas que uma dieta desequilibrada COM GLÚTEN pode conter...

Aí eu pergunto: é a AUSÊNCIA DE GLÚTEN a responsável pelo DMII nas pessoas? Ou seriam os hábitos alimentares e estilo de vida totalmente equivocados os responsáveis pela doença? Porque se fosse apenas a dieta sem glúten, o esperado seria que todos que consomem glúten jamais se tornassem diabéticos, certo?

E porque tanto alarde envolvendo a dieta sem glúten? Porque infelizmente ainda existe a crença (equivocada) de que na dieta sem glúten só se come farinhas refinadas e mais nada! Em outros países em que acesso a alimentos frescos é mais restrito, isso até pode ser verdade. Mas no Brasil, em que felizmente temos acesso a uma infinidade de alimentos frescos, saudáveis e cheios de fibras, só come errado (e adoece por causa disso) quem quer ou quem não teve acesso à informação!

Pois se a dieta sem glúten estiver baseada em frutas, hortaliças, carnes magras, ovos, arroz e feijão, tubérculos, castanhas e até mesmo uma quantidade moderada de laticínios, não há porque temer o aparecimento da DMII!!!

funcionais.jpg
Imagem encontrada na internet

Em 2013, a pedido da Fenacelbra, eu elaborei um material para ajudar os celíacos (e os nutricionistas) a pensar na dieta sem glúten como algo muito além das farinhas sem glúten. Esse material está disponível para download gratuito aqui: http://www.fenacelbra.com.br/arquivos/livros_download/10_passos_celiacos_juliana_crucinsky.pdf

juliana1

 

Assim, gostaria de finalizar dizendo que não há motivo para pânico! Dietas com ou sem glúten, desde que bem orientadas, favorecem o controle da glicemia e da diabetes, seja tipo I ou tipo II e podem inclusive PREVENIR e em alguns casos podem até mesmo REVERTER a DMII (desde que o pâncreas não tenha esgotado sua capacidade produzir insulina).

E de lembrar que o glúten é uma proteína de baixo valor biológico, sem qualquer ação protetora à saúde. Seu único benefício relacionado à glicemia, é que pelo fato de não ser completamente digerido pelos seres humanos, ele diminui o índice glicêmico da farinha de trigo, em relação às outras farinhas… apenas isso, além do fato da farinha de trigo integral ter mais fibras que boa parte das farinhas refinadas tradicionalmente usadas nas dietas sem glúten. Mas é possível adicionar fontes de fibras, proteínas e gorduras boas às preparações contendo outras farinhas e existem farinhas sem glúten com alto teor de fibras, como a farinha de coco, de amêndoas, de castanhas, de banana verde, etc. Celíacos fazem isso todos os dias, pois nossa sobrevivência e nossa saúde depende de uma dieta completamente livre de glúten e de contaminação por esta proteína…e nem por isso estamos todos diabéticos! Muito pelo contrário! Ao nos depararmos com uma restrição alimentar, ganhamos a oportunidade de reavaliar a forma como nos alimentamos e descobrimos que podemos comer de forma muito mais saudável que antes!!!

gluten_proibido_raquel
Imagem do site http://www.riosemgluten.com

Mas também acho importante lembrar que dietas a base de farinhas, tenham glúten ou não, e pobres em fibrasnão são benéficas para NINGUÉM! Farinhas devem ser consumidas com bastante moderação, por todas as pessoas que pretendem preservar a saúde. Portanto, se você tem alguma desordem relacionada ao glúten e precisa de uma dieta sem esta proteína para sobreviver ou se você, por qualquer motivo tenha decidido excluir o glúten da sua vida, procure um Nutricionista, para ter certeza de que está se alimentando corretamente e minimizar as chances de adoecer!

Medite e emagreça

Tá parecendo aquelas propagandas oferecendo mais um milagre… hahaha… mas não é nada disso não e vou explicar melhor. Vem comigo!

Não estou falando de nenhuma “solução mágica” ou mística, não, porque como vocês sabem, não sou dessas. Quero falar é de ciência, que é a minha praia e da meditação Mindfulness aplicada à Nutrição.

Mindfulness pode ser traduzido para o português, como “Atenção Plena”. Esta é uma abordagem de como a meditação, estudada cientificamente, pode contribuir no tratamento de desordens alimentares, dietas para redução de peso e para ajudar às pessoas a fazerem melhores escolhas, mais conscientes e… porque não, gerenciar melhor o estresse e aumentar a qualidade de vida!

Através da prática da Atenção Plena (ou Mindfulness), é possível desenvolver maior consciência alimentar, maior percepção das sensações de fome e saciedade, maior controle das “refeições por impulso”, do “comer por estar estressado ou ansioso” e essa consciência é fundamental na adoção de hábitos alimentares mais saudáveis e no processo de emagrecimento.

O próprio estresse, ao qual toda a sociedade moderna parece estar submetida 24h por dia, é um grande vilão, que nos “empurra” para escolhas alimentares erradas e nos faz perder massa muscular e acumular gordura abdominal. Isso ocorre porque em momentos de estresse o corpo se prepara para “lutar ou fugir” e para isso, precisa fornecer rapidamente energia para o cérebro e para os músculos, na forma de glicose. Assim, o corpo libera os chamados “hormônios do estresse” (cortisol, adrenalina e noradrenalina), que estimulam essa “queima” de massa muscular, porque o cérebro não pode ser privado de glicose e precisa comandar as reações do corpo. Se o estresse permanece, a glicose gerada e não consumida (porque ninguém lutou ou fugiu correndo), pra não ser desperdiçada, é transformada em gordura e se acumula na barriga! Paralelo a isso, quando o cortisol aumenta muito, a serotonina cai e o corpo tenta equilibrar as coisas “pedindo” carboidratos (para dar energia e poupar os músculos) e é aí o ponto onde o estresse nos faz comer demais ou comer coisas que em outro momento não comeríamos, como doces ou chocolate, por exemplo. O resultado? Acúmulo de gordura abdominal, síndrome metabólica, sobrepeso e risco de diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares! O tratamento? Aprender a gerenciar o estresse e adequar a alimentação, dando ao corpo nutrientes.

A sensação de fome, quando ficamos muitas horas sem comer e a hipoglicemia reativa (causada por refeições com muito carboidrato, geralmente carboidratos refinados, como aquele biscoitinho no meio da manhã ou da tarde, por exemplo), disparam em nosso corpo reações muito semelhantes às desencadeadas pelo estresse e faz o corpo se preparar para lutar ou fugir. Tais reações geram um ciclo vicioso e esse estresse todo acaba por prejudicar nossas escolhas, e nos empurra para escolhas mais impulsivas e imediatistas. O resultado todo mundo já conhece: ganho de peso, principalmente na região abdominal, arrependimento e culpa por ter comido e mais ansiedade. Isso pra não falar nas outras consequências do estresse crônico, como aumento da pressão arterial e risco de doenças cardiovasculares…

meditacao1

Mas esse ciclo vicioso pode ter fim! E é aí que a meditação Mindfulness entra! Através de práticas bem simples, que qualquer pessoa pode fazer, em qualquer lugar, é possível melhorar o nível de atenção e de percepção e ativar as regiões do cérebro responsáveis por escolhas mais sábias e conscientes. É possível melhorar até a qualidade do sono, melhorar o humor e com isso, viver de forma mais leve e feliz!

Em tempo: fiquem ligados na minha Fan page no FB (https://www.facebook.com/NutricionistaJulianaCrucinsky/ ) e no Instagram (@juliana.crucinsky), que vem coisa boa por aí!

 

Onde ler mais sobre meditação Mindfulness:

http://www.nutricaoeconsciencia.com.br/artigos/

 

 

Por que nossas crianças estão se tornando obesas?

Pela primeira vez na História estamos vendo uma geração que provavelmente viverá menos que seus pais e avós. Tal fato se deve à obesidade e as complicações metabólicas decorrentes da mesma.

E por que nossas crianças estão se tornando obesas e cada vez mais cedo? De quem é a culpa? E o que fazer para evitar essa “catástrofe nutricional”?

Bom, primeiramente é importante falar que não há “culpa”. Culpa é um sentimento ruim e na maioria das vezes o próprio obeso sente-se culpado por estar acima do peso, por não conseguir deixar de comer, por não fazer exercicio, etc e a própria sociedade “gordofbica” (ou lipofóbica) na qual vivemos, estimula esse sentimento. De um lado temos um culto à magreza e ao fitness e de outro, toda uma sorte de produtos alimentícios altamente calóricos propagandeados a todo instante em todos os meios de comunicação, principalmente direcionados às crianças.

Como encontrar um equilíbrio? Como ser mais saudável e manter um peso adequado?

Antes de mais nada, também acho importante explicar que peso “adequado” do ponto de vista da saúde nem sempre é a mesma coisa que “peso adequado” segundo os padrões vigentes, ditados pela TV, pela indústria da moda e do fitness. Segundo a Organização Mundial de Saúde, peso adequado seria aquele dentro de uma faixa de IMC (ìndice de Massa Corporal) entre 18,5 a 24,9 (para crianças o parametro é um pouco diferente, pois o IMC é comparado com a idade, já que as crianças estão em fase de crescimento). O IMC é obtido a partir do peso (em Kg) divido pela altura (em cm) ao quadrado (ou pela altura multiplicada por ela mesma). Assim, se o resultado estiver entre 18,5 e 24,9, dizemos que a pessoa está com um peso saudável. Se estiver abaixo de 18,5 (como muitas modelos costumam estar), temos um quadro de magreza ou melhor dizendo, de desnutrição, que pode chegar a níveis extremos. Quando temos um IMC entre 25 a 29,9, já estamos na faixa de sobrepeso, que pode evoluir para a obesidade, quando o IMC atinge 30.

Voltemos a obesidade e suas causas…

A obesidade é uma doença crônica (sim, uma vez obeso, as chances de voltar a se-lo mesmo após o emagrecimento, são grandes) e multifatorial, ou seja, não adianta tentarmos achar um único culpado, porque de fato não há!

Sempre que há uma oferta maior de energia disponivel (na forma de alimento), nosso corpo (progamado lá no periodo Paleolítico, onde achar comida não era nada fácil, pra estocar tudo o que fosse possível e para diminuir o ritmo quando não havia comida) estoca energia na forma de gordura. Da mesma forma que sempre que falta comida (seja porque estamos diante de uma situação real de fome, seja por causa de dietas muitos restritivas, como as tradicionais dietas de 1200 Kcal/dia ou menos), nosso corpo trabalha para reduzir o ritmo (diminuindo a taxa metabolica basal) para nos proteger.

A maior das pessoas atualmente alterna momentos de grande restrição alimentar voluntária (dietas para perda de peso) com momentos de exagero na ingestão de alimentos, exageros esses muitas vezes motivados pela própria privação prévia…

Mas grande parte das vezes tudo começa na infância (ou antes, quando o bebê ganha peso demais porque a mãe estava, por exemplo, com a glicemia alta durante a gestação). A cada choro do bebê, não há quem não diga que é fome, mesmo que a causa do choro seja outra. Aqui cabe uma pequena observação: bebês não falam e não sabem expressar seu desconforto, então fazem o que sabem fazer: chorar. O choro pode realmente ser de fome, mas pode ser frio, calor, fraldas sujas, dor, irritação (aliás, muitas coisas podem irritar o bebê: barulho, perfumes fortes, falatório, excesso de claridade, um monte de mãos desconhecidas querendo pegá-lo, roupinhas que pinicam, apertam, esquentam, etc…). Só que invariamente todos acham que é sempre fome e a pobre da mãe, vai ficando cada vez mais estressada, tendo que ouvir a todo instante que seu leite “é fraco”, que “não está sustentando o bebê”, etc, e pra ficar mais tranquila acaba apelando para os complementos e mamadeiras, mesmo quando não há real necessidade (por exemplo: alguma contra-indicação para a amamentação). Mas enfim, o leite materno regula a saciedade do bebê… as mamadeiras a base de fórmulas e leite de vaca (engrossado com farinhas e açúcar) estimulam a ingestão e o ganho de peso excessivo… além disso, as mamadeiras “viciam” o paladar das crianças em relação ao sabor doce e dificultam a aceitação de alimentos de sabor mais suave, como frutas e hortaliças. Daí para o consumo de biscoitos, balas, doces, iogurtes adoçados, refrescos, refrigerantes, etc, é um pulo…

E nesse ponto, a publicidade em cima desses produtos (que eu me recuso a chamar de comida, porque de fato estão longe de ser) é tão grande e tão forte, que a família inteira acaba acreditando que são bons para as crianças e muita gente acha um absurdo “privá-las” de comer “coisas de criança”. As próprias crianças são levadas a querer experimentar tais produtos, que nos mercados ficam bem ao acance de seus olhinhos curiosos e de suas mãozinhas, e cujas propagandas passam entre um desenho animado e outro, fazendo associação entre “coisas” cheias de açúcar, gordura, sal e corantes altamente alergênicos com seus personagens preferidos… as embalagens são coloridas e chamativas e os próprios produtos são coloridos em excesso, a base de corantes artificiais, justamente para despertar o interesse dos pequenos. As propagandas são fofas, são divertidas e fazem com que as crianças não parem de pensar no produto… e não queiram comer outra coisa… é o lanche da escola, é o lanche em casa, é o lanche na saída da escola…

Já as propagangas destinadas ao público mais velho, apela para outras coisas… são familias felizes tomando refrigerante ou dividindo uma refeição pronta congelada (cheia de sal e gordura e quase zerada de nutrientes), é a associação entre comida pronta e magia, ou amor ou eficiencia (quantas de nós mulheres não somos cobradas e não nos cobramos para sermos a eficiencia em pessoa, para dar conta do trabalho, da casa, dos filhos e ainda de preparar refeições saborosas e que agradem a todos, mesmo estando em pleno século XXI, mesmo sabendo que todas as tarefas dentro de um lar devem ser divididas de forma mais equilibrada).

Sem falar no cansaço, e no estresse, depois de um dia exaustivo e ainda ter que preparar refeições… a indústria também nos pega por esse lado e nos oferece soluções mágicas, prontas em poucos minutos, bastando apenas apertar um botão do microondas…

Aí chega o fim de semana, e queremos relaxar, descansar e o que vamos comer? Ou saímos e procuramos opções rápidas (“porque o fim de semana é curto e precisamos aproveitá-lo ao máximo”), como os fast foods ou pegamos o telefone e pedimos algo em casa… isso quando não temos de levar os filhos em alguma festinha, que na maioria das vezes será dentro de uma casa de festas fechada, na qual durante 4 horas serão servidos salgadinhos (feitos de farinha refinada e fritos em óleo de soja, que até o final da festa já foi reutilizado varias vezes), batata frita (preparada no mesmo óleo que os salgadinhos – um perigo maior ainda para as crianças celíacas ou alérgicas a algum ingrediente dos salgadinhos!), muitos doces (cheios de açúcar e corantes artificiais), bolo (cheio de glacê – açúcar, gordura vegetal hidrogenada e mais corante) e muito, muito refrigerante ou sucos excessivamente doces…

Pusheen comendo
Imagem encontrada na internet

E sempre, sempre são produtos que estimulam a compulsão, que aumentam a vontade de comer, e que amenizam temporariamente a sensação de estresse, desconforto e vazio existencial, porém sem qualquer beneficio a saúde…

A correria de todos é tão grande, que esse panorama se repete semana após semana, mes após mes, ano após ano, sem que ninguém se dê conta ou se questione porque é que tem que ser assim…

Os questionamentos só começam a acontecer quando nossas crianças (ou nós mesmos) percebemos que o peso aumentou demais ou que as taxas de colesterol subiram ou a glicose começou a preocupar… e aí começa outro problema, porque como “proibir” a criança que está acima do peso de comer tudo o que ela sempre comeu (e que os próprios pais compravam) se o irmãozinho (ou mesmo os pais) continuam comendo o produto “proibido”?

A child eating a hot dog while playing on a laptop
A child eating a hot dog while playing on a laptop — Image by © BNP Design Studio/ImageZoo/Corbis

É… não é fácil… mas acho que reflexões precisam ser feitas… para que soluções sejam encontradas.

O Ministerio da Saúde vem tentando regular as propagandas destinadas ao público infantil e a disponibilidade de produtos processados e ultraprocessados nas escolas, mas só isso não basta, já que os produtos continuam sendo vendidos em todos os lugares… É necessário resgatarmos nossa relação com a “comida de verdade”, como diz tão sabiamente o jornalista Michaal Pollan (cujos livros, eu recomendo fortemente a leitura!), resgatarmos seu devido valor e diminuirmos o valor que atribuimos aos produtos industrializados, que se por um lado facilitam nossa rotina (num pensamento imediatista), por outro, nos adoece, adoece nossas crianças e pode fazer com elas vivam menos (e com pior qualidade) que nós!

Dicas de leitura:

  1. Guia Alimentar da População Brasileira (2014) – Ministerio da Saúde. Disponivel no link: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf
  2. Michael Pollan. Em Defesa da Comida: Um Manifesto. Ed. Intrínseca.
  3. Micheal Pollan. As Regras da Comida. Ed. Intrínseca.
  4. Michael Pollan. Cozinhar: Um história natral da transformação. Ed. Intrínseca.
  5. Michael Moss. Sal, açúcar e gordura. Ed. Intrínseca.