Por que beber água é tão importante?

Quase 70% do corpo humano é formado por água…

As reações orgânicas todas dependem de água: a digestão, que começa na boca (a partir do contato dos alimentos com a saliva) e segue no estômago, onde há contato com o suco gástrico e continua pelo intestino, onde precisamos de mais líquidos digestivos, contendo enzimas, que concluem a digestão e facilitam o transporte dos nutrientes.

Foto da internet
Foto da internet

Mas se a ingestão de água não é suficiente,  o corpo sabiamente recicla! Mas de onde tira essa água reciclada? Das FEZES! Oi???? Isso mesmo. .. Se não bebemos água suficiente, o corpo reabsorve água das fezes para que as reações que dependem dela não parem,  e isso pode causar constipação ou prisão de ventre. Aliás, a grande maioria das pessoas que se queixa de prisão de ventre, e que tenta de tudo para o intestino funcionar (chás, farelos integrais e até mesmo aquele iogurte da propaganda que diz que devolve o dinheiro se o produto não funcionar), simplesmente não bebe água… pelo menos não em quantidade suficiente!

(Imagem da internet)
(Imagem da internet)

Há quem não beba água por não “gostar” (água não tem gosto, mas é possível agregar sabor e valor (não estou falando de valor calórico, mas sim de valor nutricional: compostos bioativos, que auxiliam a digestão e diminuem a inflamação) ao copo d’água, adicionando uma rodela de limão, raspas de gengibre ou folhas de hortelã). Também há os que esquecem (ativar o alarme do celular ajuda a lembrar!) e há ainda os que não bebem água porque sabem que pouco tempo depois terão de levantar para urinar. Sinceramente é a pior desculpa de todas… pior pra quem se agarra a ela e continua sem beber água, pois a urina é uma das principais vias de eliminação das toxinas (além do suor e das fezes) presentes em nosso corpo. Pessoas com baixo nível de hidratação, acabam tendo prejuízos no processo de detoxificação, que ocorre no fígado (que já expliquei melhor nesse post aqui), acumulam mais toxinas e estão mais propensas aos seus efeitos prejudiciais a longo prazo, pois toxinas foram feitas pra serem eliminadas e não armazenadas! Guardar toxina em nosso corpo equivale a guardar sacos e mais sacos de lixo dentro de casa…

Além disso, a baixa ingestão de água é um dos principais fatores que contribuem para a formação de cálculos renais, principalmente no verão e em dias mais quentes, quando transpiramos mais e consequentemente perdemos mais líquido. Os cálculos renais se formam a partir de resíduos vindos da alimentação, como o oxalato (presente em alimentos como espinafre, beterraba e até chocolate), cálcio (vindo de suplementos com altas doses desse mineral, ou vindo dos nossos ossos, quando há uma grande quantidade de sódio e/ou de proteínas na alimentação), ácido úrico (geralmente produzido em excesso no organismo, quando há uma ingestão excessiva de frutose e em indivíduos portadores de síndrome metabólica, por exemplo), entre outros.

A água também é fundamental num nível mais “microscópico” ou celular, pois as mais diversas reações bioquímicas necessitam dela… cicatrização, aumento de massa muscular e até mesmo a queima de gordura fica prejudicada! Além disso, a água é nosso principal regulador de temperatura corporal! Quando o corpo superaquece (após um exercício mais intenso, por ex), é através da evaporação do suor, que a temperatura retorna a níveis normais e seguro para o corpo. Aliás, o super aquecimento é prejudicial porque muitas proteínas corporais e enzimas começam a desnaturar e perder sua função. Por isso febres muito altas são sempre preocupantes! E por isso que também é necessário tentar resfriar o corpo de quem tem febre, através de banhos frios.

Beber água é fundamental! E não adianta muito trocá-la por outros líquidos. Água de coco (natural, e não a de caixinha) é uma excelente opção, mas diabéticos e pessoas que querem perder peso, precisam ter cuidado com o exagero. Sucos, por exemplo, ajudam na hidratação, porém, praticamente não contém fibras e suas calorias e carboidratos são rapidamente absorvidos, sendo um péssimo negócio para quem quer perder peso. Chás são excelentes, mas há que se ter cuidado, pois em excesso podem ser tóxicos, podem interferir com a absorção de nutrientes e com a ação de medicamentos. Por exemplo, o famoso chá verde, diminui a absorção de ferro e ainda pode causar toxicidade no fígado! Isotônicos (bebidas hidroeletrolíticas) possuem sódio e glicose, além de corantes. E dentre as piores opções estão os refrigerantes (que contém MUITO açúcar na versão normal e além de todos os aditivos químicos, ainda contém os adoçantes artificiais, nas versões light, diet e zero. Isso pra não falar que eles promovem perda de cálcio dos ossos!) e os refrescos industrializados, cheios de corantes e toda a sorte de substancias químicas que nosso corpo nem sabe exatamente o que fazer com elas.

Dieta ajuda a perder peso, mas será que ajuda a emagrecer?

Pode parecer um absurdo essa questão que levantei, mas fazer dieta pode realmente não ser a melhor forma de emagrecer… mas estou me referindo às dietas restritivas, com poucas calorias, da maneira que as pessoas estão acostumadas a fazer, a copiar de revistas, sites, blogs ou mesmo a pedir aos nutricionistas.

Primeiro, acho importante chamar a atenção para alguns conceitos e explicar algumas coisas…

Perder peso não é a mesma coisa que emagrecer!!!

Como assim???? 

Emagrecer pressupõe perder gordura, enquanto que a perda de peso, pode ocorrer por perda de gordura corporal, mas também (e bem mais comum e mais fácil que a perda de gordura) por perda de líquido (ou desidratação) e de massa muscular (músculos mesmo e músculos que compõem nossos órgãos). E cada vez que recuperamos o peso perdido, geralmente recuperamos somente gordura. Podemos até recuperar a massa muscular e o líquido corporal, mas nunca mais recuperaremos o músculo perdido de nossos órgãos internos!

Nosso metabolismo foi moldado, durante milhões de anos num ambiente onde não havia tanta comida a disposição, como temos hoje e para comer, precisávamos gastar energia, pois tínhamos de caçar e/ou coletar alimentos (andar vários metros ou mesmo quilômetros até encontrar algo comestível e não venenoso, subir em árvores, atravessar rios, etc) e na falta de comida, nosso metabolismo aprendeu a “entrar no modo econômico” (ou a reduzia sua taxa metabólica basal) pra que não morressemos de inanição.

Apesar de estarmos em pleno século XXI e termos a nossa disposição toda sorte de alimentos e “coisas processadas” que parecem comida e de não precisarmos gastar tanta energia para obter alimento, nosso metabolismo continua praticamente o mesmo do tempo em que nossos ancestrais viviam em cavernas… ou seja, hoje em dia, nossas chances de engordar são muito maiores do que antes e quanto mais processada (cheia de açúcar, farinha refinada, sódio e aditivos químicos e pobre em nutrientes) for nossa alimentação pior nesse sentido.

Imagem encontrada na internet
Imagem encontrada na internet

Cada vez que nos impomos uma restrição alimentar, nosso corpo entende isso como um estresse ou situação de risco e fica em estado de alerta. A medida que a restrição prossegue, entramos no “modo econômico” e nosso metabolismo diminui para nos proteger da inanição… e aí quem já se submeteu a muitas dietas ao longo da vida sabe que cada vez é mais difícil de emagrecer.

Outra questão importante, é que quando nos submetemos às restrições calóricas, nossa ingestão de nutrientes ( diminui consideravelmente. Muitos dessses nutrientes são peças fundamentais na engrenagem para a queima de gordura e neutralização de toxinas geradas no processo e a medida que começam a faltar, a engrenagem (ou vias metabólicas) começa a falhar… isso a longo prazo põe um freio na queima de gordura; sem falar que sem os nutrientes necessários para neutralizar as toxinas (as quais nos expomos diariamente e as que são produzidas em nosso próprio corpo), nossas vias de detoxificação também ficam comprometidas, aumentando muito nossas chances de adoecer por doenças crônicas, como o câncer.

Imagem encontrada na internet
Imagem encontrada na internet

Se é assim, então ficamos acima do peso e não fazemos nada? (alguns podem estar se perguntando isso agora)

Não! Claro que não! Até porque o excesso de peso é prejudicial em vários aspectos.

Mas já que o emagrecimento rápido não costuma ser benéfico (e geralmente é perda de peso as custas de água e músculos) a saída é atentar para a qualidade do que se está colocando no prato… é cortar os excessos, deixar de lado o que não é necessário, como as “coisas processadas disfarçadas de comida”, cheias de açúcar, sódio, farinha e/ou gordura, é comer comida de verdade, é dar ao corpo o que ele de fato precisa pra ser saudável.

E sem esquecer da atividade física (seja ela qual for, mas de preferencia que seja orientada por um educador físico), como forma de manter o metabolismo ativo e estimular o ganho de massa muscular (ou pelo menos como forma de prevenir a perda de músculos que ocorre naturalmente com o passar dos anos e que sempre é agravada pelas dietas, principalmente as mais restritivas).

Imagem encontrada na internet
Imagem encontrada na internet