Dieta Paleolítica -Conversando com um Especialista

Depois de ler a entrevista que meu amigo Pedro Carrera Bastos deu ao site do jornal Sol (http://sol.pt/noticia/123421?source=social), de Portugal, falando sobre a dieta dos nossos ancestrais, resolvi escrever mais um post sobre o assunto (depois de já ter escrito este e este). Mas dessa vez trazendo as considerações do próprio Pedro, Diretor da Nutriscience Education and Consulting (http://www.nutriscience.pt/), investigador da Faculdade de Medicina na Universidade de Lund (Suécia) e um grande estudioso do assunto.

Ele nos diz o seguinte:

“Quando pensamos na dieta Paleolítica, estamos, na verdade, a refletir sobre os padrões alimentares que os seres humanos seguiram durante a maior parte do seu tempo na Terra. Estamos, ainda, a ter em consideração o seu estilo de vida. E por estilo de vida entenda-se padrões de sono e de exposição solar, atividade física, níveis de stress e exposição a poluentes (onde se inclui o tabaco). Ou seja, estamos a falar não de uma dieta única e igual para todos, mas sim de um padrão, de um template. E porque é que esse template deve ser tido em consideração? Porque quando olhamos para populações tradicionais que ainda têm um estilo de vida em consonância com esse template (não podemos dizer que vivem como no Paleolítico mas que estão quase lá ou na transição), estas apresentam melhores marcadores de saúde do que nós, que vivemos em países ocidentalizados, com melhores condições sanitárias, maior estabilidade social, menor risco de traumas físicos e acesso à medicina moderna. E é graças a esta que hoje conseguimos manter pessoas doentes vivas por mais tempo e não graças a termos uma melhor dieta e um estilo de vida mais saudável”.

Segundo esta corrente, desde o Paleolítico até ao início da Revolução Agrícola, o homem seguiu padrões alimentares semelhantes (com variações, que dependiam, fundamentalmente, da latitude, clima e disponibilidade de alimentos) e manteve um estilo de vida de caçador-recolector. Isto significa, por exemplo, que os cereais só começaram a fazer parte dos hábitos de consumo já muito tarde. Do mesmo modo, os lacticínios, com excepção do leite materno, não faziam parte das dietas destes indivíduos. E o próprio açúcar era ingerido na forma de mel ou de fruta e não na forma de açúcar refinado, que hoje chega a representar 20% das calorias em alguns países. “Quando falamos em adoptar um padrão alimentar mais próximo do que os nossos antepassados do Paleolítico seguiam, não estamos a sugerir que a dieta deverá ser igual para todos e muito menos que tenhamos que comer quilos de carne ou apenas alimentos crús. O que estamos a sugerir é que reduzamos a ingestão de alimentos que não faziam parte dos menus dos nossos antepassados e que têm evidência científica a demonstrar que, quando ingeridos em quantidades moderadas a elevadas, podem produzir efeitos adversos em quase todos nós, como, por exemplo, alguns óleos vegetais (em especial de girassol, milho ou soja, que só foram introduzidos, de forma generalizada, na cadeia alimentar há aproximadamente 100 anos), gorduras hidrogenadas, açúcar refinado, cereais refinados (e também alguns na sua versão integral, com destaque para o trigo moderno) e lacticínios. E mais importante: reduzir drasticamente a ingestão de alimentos processados! O que é interessante é que existem, neste momento, mais de 10 estudos de intervenção e uma recente revisão sistemática publicada numa revista científica de alto impacto a mostrar que este padrão pode melhorar vários marcadores da saúde metabólica, parecendo ser inclusive superior a alguns padrões tidos como muito saudáveis, como é o caso da Dieta Mediterrânica. Refira-se, ainda, que quando tentamos colocar o referido template em prática não estamos apenas a falar em alterar a Dieta, mas também em alterar todo o estilo de vida, nomeadamente: praticar exercício físico com regularidade, reduzir a exposição a poluentes e o nível de stress e adoptar padrões de sono e de exposição solar adequados.”.

(Fonte: http://www.staffanlindeberg.com/KitavaPhotos.html )

Posteriormente (num post lá na minha página do Facebook: https://www.facebook.com/NutricionistaJulianaCrucinsky/), complementa:

“É comum as pessoas associarem uma dieta pré-agrícola a uma dieta rica em carne, a uma dieta hiperproteica ou com restrição de CHO. Isso é um erro comum e em grande parte causado por livros e blogs sensacionalistas. A verdade é que as dietas dos nossos antepassados poderiam ou não ser ricas em carne, hiperproteicas e/ou baixas em CHO. Em algumas sociedades era assim (em que a carne não era de animais domesticados obesos e tratados sem qualquer respeito, mas sim de animais selvagens), mas em outras não. Para que entendam como uma dieta tradicional não é = dieta rica em carne/hiperproteica/low carb vejam a dieta de Kitava, em que os CHO são cerca de 70% das calorias e a proteína está < 15%. O que é que é então diferente? os tipos de alimentos: tubérculos, fruta, coco, algum peixe, carne de vez em quando. Mas açúcares isolados, óleos vegetais, cereais (com excepção de um pouco de milho), lacticínios e alimentos processados não fazem parte do menu.
De qualquer modo, estas discussões sobre macronutrientes, se comiam mais carne ou menos carne, mais CHO ou menos CHO afasta-nos do que é essencial: ocorreram grandes alterações ao longo da história em termos de estilo de vida (maior exposição a poluentes/xenobióticos, alterações do padrão de sono e de exposição à luz e ao sol, sedentarismo generalizado, stresse crónico) e de dieta (demasiadas alterações para explicar em poucas linhas) e isso está na origem de grande parte das doenças degenerativas crónicas. Assim sendo, o que se propõe é voltar a hábitos tradicionais que estão em consonância com a fisiologia humana e não comer 500 g de carne todos os dias e evitar CHO como se fossem o diabo.”

Como referencias para complementar a compreensão do assunto, ele nos indica:

Sobre o Estudo de Kitava: http://www.staffanlindeberg.com/TheKitavaStudy.html

Revisão Sistemática sobre estudos com Dieta Paleolítica:

http://ajcn.nutrition.org/content/early/2015/08/12/ajcn.115.113613

Slides de uma apresentação de Maelán Fontes Villalba (outro grande estudioso da dieta Paleolítica): http://pt.slideshare.net/maelanfontes/por-qu-considerar-la-evolucin-en-nutricin

Publicações do Prof. Dr. Staffan Lindeberg, médico e Professor na Universidade de Lund/Suécia (um dos maiores pesquisadores da Dieta Paleolítica na atualidade):

https://www.researchgate.net/publication/221764087_Paleolithic_diets_as_model_for_prevention_and_treatment_of_Western_disease

http://www.visioninstitute.optometry.net/UserFiles/users/499/File/WebDoc9Lindberg.pdf

Publicações do Prof. Dr. Loren Cordain, Professor Catedrático aposentado da Universidade do Estado do Colorado/EUA (outro dos grandes pesquisadores da Dieta Paleolítica na atualidade):

http://ajcn.nutrition.org/content/81/2/341.full

http://www.direct-ms.org/pdf/EvolutionPaleolithic/Meat%20Paradox%20EJCN.pdf

http://www.2ndchance.info/birdlover-cerealsword.pdf

http://www.deflame.com/wp-content/uploads/2011/11/Lectins-2000.pdf

Publicações da equipa do Prof. Dr. Frits Muskiet, Bioquímico e Professor Catedrático da Universidade de Groningen/Holanda (grande especialista em aspectos evolutivos da Nutrição):

http://thepaleodiet.com/wp-content/uploads/2015/08/Estimated-Macronutrient-and-Fatty-Acid-Intakes-From-an-East-African-Paleolithic-Diet.pdf

– https://www.researchgate.net/publication/230677843_A_multidisciplinary_reconstruction_of_Palaeolithic_nutrition_that_holds_promise_for_the_prevention_and_treatment_of_diseases_of_civilisation

Tese de Doutorado do Médico e Farmacêutico Remko Kuipers (em que o orientador foi o Prof. Frits Muskiet): http://www.rug.nl/research/portal/files/2408993/thesis.pdf

http://www.rug.nl/research/portal/files/2408993/thesis.pdf

Tese de Doutorado do Médico Tommy Jönsson (em que o orientador foi o Prof. Staffan Lindeberg):

http://lup.lub.lu.se/luur/download?func=downloadFile&recordOId=599209&fileOId=631273

Anúncios

Um comentário sobre “Dieta Paleolítica -Conversando com um Especialista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s