Intolerância ao Glúten existe mesmo?

A resposta é SIM e NÃO…

Perdi a conta de quantas vezes tentei explicar o porque não se falar mais em “intolerância ao glúten”, então, como sempre, resolvi escrever um post…

Durante muitos anos, desde que o glúten foi identificado com o agente “causador” (ou gatilho) que a Doença Celíaca (DC) foi chamada de “Intolerância ao Glúten” e (infelizmente) ainda é assim que o Ministério da Saúde a chama na segunda edição do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para DC, publicado esse ano. No Consenso de Oslo, publicado em 2012, já havia uma recomendação para que nenhuma das Desordens Relacionadas ao glúten fosse chamadas apenas de intolerância.

gluten_proibido_raquel
Imagem do site http://www.riosemgluten.com

E por que essa preocupação? Não de trata de uma intolerância???

Sim e Não. Confuso? Um pouco, mas explico melhor.

Uma das primeiras hipóteses para explicar a DC era a de que celíacos possuíam uma deficiencia enzimática, logo o glúten não era digerido e isso provocava os sintomas. Mas posteriormente, outras pesquisas demonstraram que esse era um raciocínio simplista demais para explicar o quadro clínico e as lesões na mucosa intestinal. A medida que as técnicas avançaram, que os anticorpos (antigliadina, antiendomísio e antitransglutaminase) foram descobertos e com o uso da endoscopia com biópsia de duodeno, os pesquisadores viram que na verdade a DC era uma doença autoimune, na qual, a tentativa do sistema imunológico de destruir o glúten (com a produção do anticorpo antigliadina) gerava mais dano ao organismo, que passo a passo ia se autodestruindo, literalmente, ao produzir os anticorpos antiendomisio e antitransglutaminase, que atacam diretamente as estruturas presentes no intestino (e podem afetar outros órgãos, como acontece na ataxia do glúten, na qual os anticorpos antitransglutaminase atacam estruturas cerebrais).

Chamar a DC e outras DRG de “intolerância” leva a uma grande confusão e faz com que as pessoas minimizem a gravidade do problema e não se cuidem corretamente. Não são raros aqueles que já chegam dizendo “eu SÓ tenho intolerância ao glúten, e não preciso de tantos cuidados com a dieta”, pois pensam que é uma condição semelhante à intolerância a lactose (IL), por exemplo e é aí que a coisa complica e os riscos aumentam. Na DC já se sabe que se a dieta não é feita corretamente, há um risco muito maior da doença evoluir para a forma refratária (que necessita não só da dieta como também de medicamentos imunosupressores), do surgimento de outras doenças autoimunes como Diabetes tipo I, Tireoidite de Hashimoto, Lupus, Artrite, etc e câncer de intestino. Já dentre os riscos da alergia ao trigo, o mais grave e que pode levar à morte em questão de minutos é a anafilaxia. E como ainda não se sabe quais os riscos associados a SGNC, os pesquisadores recomendam que se tenha o mesmo cuidado que com a DC.

Na IL há uma intolerância do organismo a esse carboidrato (a lactose) porque a produção da enzima (lactase) necessária a sua digestão está sendo insuficiente. Com isso, a lactose não é digerida e fica na luz intestinal, onde é fermentada por bactérias, gerando gases, desconforto e (nem sempre), diarréia. Mas passado o mal estar, e desde que não se volte a consumir lactose, as coisas voltam a um certo grau de normalidade (não vou entrar aqui em detalhes a respeito das alterações na microbiota ou flora intestinal – isso fica pra outro post) e o mal estar passa.

Lactose e lactase

Mas quando estamos falando de uma proteína complexa como o glúten (que de fato, não é bem digerida por NINGUÉM), a intolerância ocorre num nivel muito maior de complexidade, pois trata-de se intolerância IMUNOLÓGICA. Ou seja, aqui é o sistema imune (nosso sistema de defesa) que dá o alarme após detectar que há algo errado e é ele mesmo que parte com tudo pra cima do “inimigo” ( glúten). Na IL, o sistema imune nem tem ciência do que está acontecendo e por isso, os sintomas e suas consequencias, apesar de bem desagradáveis, em geral não costumam ser graves (a não ser quando a diarreia chega ao ponto de causar desidratação, por exemplo).

Já nas Desordens Relacionadas ao Glúten (DRG), principalmente na DC, se o sistema imune é chamado, as reações serão graves e imprevisíveis. Mal comparando, seria como se tentássemos matar um mosquito usando uma granada… obviamente, numa situação hipótetica dessas, o mosquisto até seria morto, mas tudo a sua volta seria destruído (e provavelmente quem detonou a granada, também!). E é bem assim que as coisas funcionam em nosso corpo… se temos DC e ingerimos glúten, nosso corpo tenta “matar o mosquito” (o glúten) usando uma granada e é aí que a coisa complica pro nosso lado, pois nosso intestino vai sendo destruído junto (os anticorpos antitransglutaminase, que pedimos pra dosar no sangue, são os marcadores da granada que foi detonada).

Coeliac_Disease
Essa figura demonstra como as lesões intestinais progridem, desde o início do processo inflamatório (1) até a completa atrofia da mucosa (4)

Mesmo nas “intolerâncias” mediadas por IgG, que algumas pessoas consideram mais leves, há reações imunológicas, que não podem, nem devem ser menosprezadas! Quando estes exames positivam, significa que está ocorrendo um aumento de permeabilidade no intestino e que proteinas alimentares não digeridas estão entrando em contato com o sangue e com o sistema imune, logo, o mesmo reage produzindo anticorpos, avisando que já detectou o “invasor” e estão tentando destruí-lo. Nesse caso, sem o resultado da biópsia duodenal, não há como saber se está ocorrendo lesões no intestino e muitas vezes, os anticorpos positivam antes que tais lesões ocorram… se excluimos o glúten nesse momento, podemos prevenir o surgimento de tais lesões.

A Sensibilidade ao Glúten Não Celíaca (SGNC) muitas vezes também é chamada de “intolerância ao glúten” e aqui, definir se é ou se não é fica um pouco mais complicado, pois as evidenciacis científicas mostram que pode ser o glúten o agente causal dos sintomas (e da positivação de anticorpos) na SGNC, mas também outras proteínas existentes no trigo e em outros cereais (como as proteínas inibidoras da alfa amilase e da tripsina), ou mesmo os frutanos (um tipo de fibra) presentes nos cereais (e em outros alimentos). Aqui, se pudessemos ter certeza absoluta (coisa praticamente impossível até o momento) de que os frutanos do trigo estão por trás dos sintomas, aí sim, poderíamos falar em intolerância (pensando no exemplo da IL), pois como fibras são carboidratos e como o trato gastrointestinal humano não produz enzimas capazes de digeri-las, logo estamos diante de uma situação semelhante a que ocorre na Intolerancia a lactose: ausencia de uma enzima, dificuldade em digerir um carboidrato e sintomas decorrentes disso tudo.

Entretanto, muitas vezes os sintomas não costumam ser um bom parâmetro para avaliar a extensão das lesões (voltando a questão da produção de autoanticorpos)… é só lembrar que existe a DC ASSINTOMÁTICA, com as mesmas lesões (ou até mais graves) que a DC sintomática…

Na IL, a ingestão de pequenas doses de lactose (como as que estão presentes num comprimido, por exemplo), não causam reação na maior parte das pessoas (geralmente os sintomas percebidos estão relacionados ao medicamento em si e não a lactose do comprimido, que é usada apenas para “dar peso”). Já nas DRG não existe a possibilidade de ingerir “só um pouquinho”! Achar que “só um poquinho não me fará mal porque SÓ tenho intolerância” é uma grande ilusão que a longo prazo só trará problemas!

Então, minha gente, não caiam no conto da intolerância!!! E sempre que algum profissional de saúde falar em “intolerância ao glúten”, na realidade ele está se referindo a “INTOLERÂNCIA IMUNOLÓGICA AO GLÚTEN”!!!

Anúncios

Por que beber água é tão importante?

Quase 70% do corpo humano é formado por água…

As reações orgânicas todas dependem de água: a digestão, que começa na boca (a partir do contato dos alimentos com a saliva) e segue no estômago, onde há contato com o suco gástrico e continua pelo intestino, onde precisamos de mais líquidos digestivos, contendo enzimas, que concluem a digestão e facilitam o transporte dos nutrientes.

Foto da internet
Foto da internet

Mas se a ingestão de água não é suficiente,  o corpo sabiamente recicla! Mas de onde tira essa água reciclada? Das FEZES! Oi???? Isso mesmo. .. Se não bebemos água suficiente, o corpo reabsorve água das fezes para que as reações que dependem dela não parem,  e isso pode causar constipação ou prisão de ventre. Aliás, a grande maioria das pessoas que se queixa de prisão de ventre, e que tenta de tudo para o intestino funcionar (chás, farelos integrais e até mesmo aquele iogurte da propaganda que diz que devolve o dinheiro se o produto não funcionar), simplesmente não bebe água… pelo menos não em quantidade suficiente!

(Imagem da internet)
(Imagem da internet)

Há quem não beba água por não “gostar” (água não tem gosto, mas é possível agregar sabor e valor (não estou falando de valor calórico, mas sim de valor nutricional: compostos bioativos, que auxiliam a digestão e diminuem a inflamação) ao copo d’água, adicionando uma rodela de limão, raspas de gengibre ou folhas de hortelã). Também há os que esquecem (ativar o alarme do celular ajuda a lembrar!) e há ainda os que não bebem água porque sabem que pouco tempo depois terão de levantar para urinar. Sinceramente é a pior desculpa de todas… pior pra quem se agarra a ela e continua sem beber água, pois a urina é uma das principais vias de eliminação das toxinas (além do suor e das fezes) presentes em nosso corpo. Pessoas com baixo nível de hidratação, acabam tendo prejuízos no processo de detoxificação, que ocorre no fígado (que já expliquei melhor nesse post aqui), acumulam mais toxinas e estão mais propensas aos seus efeitos prejudiciais a longo prazo, pois toxinas foram feitas pra serem eliminadas e não armazenadas! Guardar toxina em nosso corpo equivale a guardar sacos e mais sacos de lixo dentro de casa…

Além disso, a baixa ingestão de água é um dos principais fatores que contribuem para a formação de cálculos renais, principalmente no verão e em dias mais quentes, quando transpiramos mais e consequentemente perdemos mais líquido. Os cálculos renais se formam a partir de resíduos vindos da alimentação, como o oxalato (presente em alimentos como espinafre, beterraba e até chocolate), cálcio (vindo de suplementos com altas doses desse mineral, ou vindo dos nossos ossos, quando há uma grande quantidade de sódio e/ou de proteínas na alimentação), ácido úrico (geralmente produzido em excesso no organismo, quando há uma ingestão excessiva de frutose e em indivíduos portadores de síndrome metabólica, por exemplo), entre outros.

A água também é fundamental num nível mais “microscópico” ou celular, pois as mais diversas reações bioquímicas necessitam dela… cicatrização, aumento de massa muscular e até mesmo a queima de gordura fica prejudicada! Além disso, a água é nosso principal regulador de temperatura corporal! Quando o corpo superaquece (após um exercício mais intenso, por ex), é através da evaporação do suor, que a temperatura retorna a níveis normais e seguro para o corpo. Aliás, o super aquecimento é prejudicial porque muitas proteínas corporais e enzimas começam a desnaturar e perder sua função. Por isso febres muito altas são sempre preocupantes! E por isso que também é necessário tentar resfriar o corpo de quem tem febre, através de banhos frios.

Beber água é fundamental! E não adianta muito trocá-la por outros líquidos. Água de coco (natural, e não a de caixinha) é uma excelente opção, mas diabéticos e pessoas que querem perder peso, precisam ter cuidado com o exagero. Sucos, por exemplo, ajudam na hidratação, porém, praticamente não contém fibras e suas calorias e carboidratos são rapidamente absorvidos, sendo um péssimo negócio para quem quer perder peso. Chás são excelentes, mas há que se ter cuidado, pois em excesso podem ser tóxicos, podem interferir com a absorção de nutrientes e com a ação de medicamentos. Por exemplo, o famoso chá verde, diminui a absorção de ferro e ainda pode causar toxicidade no fígado! Isotônicos (bebidas hidroeletrolíticas) possuem sódio e glicose, além de corantes. E dentre as piores opções estão os refrigerantes (que contém MUITO açúcar na versão normal e além de todos os aditivos químicos, ainda contém os adoçantes artificiais, nas versões light, diet e zero. Isso pra não falar que eles promovem perda de cálcio dos ossos!) e os refrescos industrializados, cheios de corantes e toda a sorte de substancias químicas que nosso corpo nem sabe exatamente o que fazer com elas.